Arquivo mensal: julho 2012

A saga da churrasqueira

Padrão

Churrasqueira: s.f. 1  local onde a classe média desfruta da redenção após semana laboral.2 espaço designado onde um gordo sem camisa queima umas carninhas. 3 item imprescindível para o churras

Churrasquinho, cervejinha …  Coisa que todo brasileiro gosta, né? Mas alguém me explica como uma churrasqueira pode valer a metade do preço de um carro? E não estou me referindo ao modelo abaixo ( que custa o preço de um carro).

 

 

 

 

Tá certo que existem opções bem  baratas, algumas até DIY, mas não são do meu gosto.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

As pré fabricadas  estão fora de cogitação. Eita coisinha feia…

 

E nessa jornada descobri que, igual ao carro,  existem variações de material, acabamento, opcionais, etc.  E não é simplesmente comprar a churrasqueira, pois ela vem em partes.

Caixa de brasa: estrutura de suporte da churrasqueira  para ser revestida. Internamente é revestida com  placas e massa refratária

 

Suporte para espetos: esse é autoexplicativo

 

 

Coifa: aqui também você pensa que é uma única peça, mas tem que comprar ainda o duto e o chapéu.

 

Além disso, ainda se pode escolher o tal grill de elevação, luzes internas, vidro, e blá blá blá.

E de nada adianta toda essa parafernália, se não souber fazer o churrasco.

 

 

 

 

 

 

 

 

Anúncios

Jardim Vertical

Padrão

Seja ela pequena ou grande, todo mundo se encanta com uma parede repleta de plantas. E com a gente não poderia ser diferente. Samambaias, orquídeas, mini-horta…  Mil idéias sobre quais espécies irão habitar os 9m2 que vamos dedicar a este espaço.

Mas você sabe quanto custa ter um pedacinho de verde na sua parede? Bom, como tudo que está na moda, os jardins verticais custam caro ( e aqui eu falo só da estrutura, sem contar as plantas).

Olha só as marcas que pesquisamos:

Wallgreen: este é um kit de placas de plástico que formam pequenos nichos. Neles você coloca mudas acondicionadas em sacos especiais. A instalação é pratica e rápida, mas o preço… R$450/m2.

 

Greenwall: feito de blocos cerâmicos, este modelo forma canaletas que precisam de irrigação por gotejamento. Vale R$ 200/m2 com o frete, mas precisa de mão de obra especializada para impermeabilizar a parede e assentar os blocos.

 

 

 

 

 

 

Neo Rex: módulos produzidos em cimento, este foi o nosso escolhido. Mesmo com a necessidade de pedreiro e ferragens, seu formato em zigue-zague, e também  o preço,  o tornaram nosso eleito. R$ 100/m2.

 

 

 

Devotos de Santa Ifigênia

Padrão

E nesta segunda partiu a romaria elétrica para Santa Ifigênia! Eu,  meu fiel eletricista, Humberto, e uma lista imensa de coisas para comprar: conduítes, caixinhas de passagem,  cabos elétricos, cabo de telefone, interruptor, tomadas, etc, etc, etc…

Sinceramente não curto aquele lugar, que mais parece uma filial da 25 de março, só que piorada. Mas as palavras “muito mais barato” me levam até o inferno.  Ops, olha o pecado!

Entramos na primeira loja, Andra, e só saímos de lá 3 horas depois.  Compramos todos os materiais, inclusive as luminárias de embutir, os balizadores para área externa e os spots de  solo.

Conseguimos um super desconto nos Cabos Pirelli( agora a marca chama Prysmian), que são notoriamente os melhores. Inclusive o vendedor, um gênio do mkt, me mostrou que aqueles fios tem um sistema chamado Afumex ( parece produto Tabajara), que em caso de incêndio, não libera fumaça tóxica.

Claro, pq se a casa pegar fogo, a fumaça  vai ser minha maior preocupação…

Bom, fiz um comparativo com os valores da Telhanorte, C&C  e lá da Santa. A diferença de valores chega a 50% nos cabos, tomadas e outros.  Já nas luminárias, comparei com os preços do Yamamura e quase caí pra trás.  Ex: o balizador embutido para jardim, que paguei R$ 25, lá na Consolação custa um pouco mais de R$100.

Salve Santa Ifigênia!

Batendo perna

Padrão

Para a obra caber dentro do nosso orçamento, eu já tinha avisado o Heitor que íamos  gastar muita sola de sapato.  E essa semana começou a maratona.

Claro que sem a o Santo  Google tudo seria muito pior…    Lemos avaliações sobre empresas, cotamos preços,  montamos nosso itinerários da caça ao desconto e saímos sábado cedinho.

Primeira parada: Pinheiros, mais precisamente na Rua dos Pinheiros 1278. Lá tem uma loja especializada em produtos Deca e os menores preços.  Chorando um desconto, e pagando em dinheiro, a cuba saiu 30% mais barata do que no C&C.

Segunda parada: No site diz que é Vila Leopoldina, mas tá do lado da Ponte dos Remédios…  Além do menor orçamento, rebemos 2 boas indicações sobre os ladrilhos hidráulicos da  Dalle Piagge.  Nesse galpão enorme está o show room e a fábrica, onde é possível personalizar os ladrilhos, que são feitos artesanalmente.

Terceira parada: Ou melhor dizendo: “a peregrinação pelos home centers da Marginal Tietê”.  Aliás, acho que meu carro já faz automaticamente o percurso Telhanorte-Leroy-C&C…

Na Telhanorte encontrei o Ralo Linear da Tigre, que é lançamento, e custa 1/5 do preço dos similares feitos totalmente em inox. Este, como qualquer ralo, tem o corpo em pvc e só a tampa em inox. Fiz o comparativo abaixo e o efeito é o mesmo.

Bom, aproveitando que já estávamos ali, fomos escolher a bacia sanitária. Por mais que eu curta um estilo vintage, tenho pavor de privada com o “intestino à mostra” = aquelas voltinhas pavorosas na parte de trás da peça.

Na hora que encontrei um modelo bacana, e que não custava o preço de um carro popular, só tinham ele com caixa acoplada. Saco…

Olhei, olhei e acabei escolhendo o mesmo modelo do que tenho em casa, e que comprei há exatos 10 anos.

  Clean e atemporal. 

Mas alguém pode me responder por que o assento sanitário custa mais caro que a privada???

Última parada: Santana, atrás das pastilhas para o banheiro. Esse lugar foi indicação da Elaine, minha amiga que é designer de interiores.

É bem simples, mas tem muitas opções diferentes e o preço é  incrível.  Pastilha de madeira por R$ 20/placa  e as de vidro por R$ 39m2. As de inox são lindas e tavam com preço ótimo também.

http://mosaicoecia.com.br

*  Neste mesmo dia ainda fomos no Leroy e no C&C da Ricardo Jafet

** No dia seguinte, domingo, voltamos na Telhanorte da Marginal Tietê

Amor à primeira vista?

Padrão

As mãos ficam frias e você sente aquela sensação estranha na barriga.

Depois do primeiro encontro você pondera, pois existem outros.

Iguais ou melhores?

Talvez.

Tenta perguntar para todos e a resposta é sempre a mesma:

“Vocês é que terão de conviver…”

E os valores? Serão os mesmos?

Caminha, caminha e parece que está sempre no mesmo lugar.

Afinal de contas,  todos parecem iguais.

Esses malditos materiais de acabamento.

3º mês de obra

Padrão

Seria muito clichê dizer que o tempo passou voando, mas foi exatamente esta a sensação.  A casa ainda parece um campo de guerra, só que já é possível enxergar os contornos de um lar.

Semana passada nosso  marceneiro  foi lá para orçar a primeira parte: porta balcão do quarto + 2 portas da cozinha+ 1 porta de correr da sala + o vitrô da escada.  Depois ainda tem: restauro da escada + restauro porta de entrada + marcenaria da cozinha, sala e do closet…

Se alguém  precisa de um fígado ou rim, já aviso que os meus estão disponíveis por um preço bem camarada.

Mas vamos as fotos, já que  o tsunami da construção civil atingiu – finalmente – a edícula e a lavanderia.